Notícias >> Policial
  •  

    Em 23/07/2017

     

    Agricultor acusado de matar policial em Coremas pode ter sido preso por engano, admite delegado

     



                   Por Redação da Folha – O agricultor Damião Pereira da Silva, de 31 anos, foi recolhido à cadeia esta noite, depois de autuado em suposto flagrante pelo homicídio contra o sargento José Gomes da Silva, conhecido como J. Gomes, de 45 anos, morto a tiros na madrugada deste domingo, 23,  durante uma festa em uma quadra dançante na zona rural de Coremas, mas o próprio delegado admite que o homem pode ter sido preso injustamente.

                    O policial, que é de Diamante, estava de folga e participava da festa, quando foi atingido por dois tiros, possivelmente de revólver, e morreu antes de chegar ao hospital coremense. Depois do crime, policiais militares, a partir de informações de uma mulher que estava com a vítima, foram até a casa de Damião, que reside com o pai no sítio Boa Vista, e efetuaram sua prisão. O rapaz dormia quando a polícia chegou, e ele insistiu que não havia cometido o delito. Um revólver foi encontrado no interior da casa e o suspeito conduzido à delegacia.

                    Ouvido pelo delegado José Pereira, Damião negou qualquer envolvimento no crime, disse que nem sequer conhecia o policial e que várias pessoas que estavam na festa poderiam testemunhar que ele não teve envolvimento no fato, mesmo assim foi autuado e recolhido à cadeia. O delegado baseou-se apenas no depoimento da mulher que estava com o sargento para lavrar o flagrante, porque não há outros elementos contra o rapaz. Ela disse ter reconhecido o agricultor como sendo o homem que atirou no policial, mas o delegado, desde o começo, tinha dúvidas da veracidade desse depoimento, uma vez que o abalo emocional sofrido pela testemunha pode tê-la influenciado ao erro. A circunstância da prisão também levanta questionamentos sobre a autoria do homicído atribuiída ao agricultor.

                    Nas últimas horas, um fato novo surgiu e significa que a polícia pode realmente ter prendido a pessoa errada. Um novo suspeito apareceu, já está sendo procurado e pode ser o verdadeiro criminoso. Ele também se chama Damião e seus próprios familiares disseram que ele passou durante a madrugada em casa, afirmando que havia matado uma pessoa e fugiu, inclusive, durante a fuga, abandonou a moto, mas policiais estão em seu encalce.

                    Quanto ao Damião que se encontra preso supostamente por engano, ele deverá ser ouvido em audiência de custódia no começo desta semana e poderá ser solto, caso o juiz entenda que, de fato, ele não tem nada a ver com o crime, como o próprio delegado acredita.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  •  

    Em 23/07/2017

     

    De folga, sargento é morto a tiros em festa num sítio de Coremas. Delegado fala sobre caso

     



                    Por Redação da Folha – O crime aconteceu na madrugada deste domingo, 23, durante uma festa na quadra do sítio Sangradouro, que fica a cerca de 9 quilômetros da cidade de Coremas. Segundo as informações, o 3º sargento José Gomes da Silva, conhecido como J. Gomes (foto), de 45 anos, 26 dos quais na Polícia Militar, estava de folga e se encontrava na festa, quando foi surpreendido por um homem armado: o policial sofreu dois tiros e chegou ainda a ser socorrido com vida ao hospital coremense, mas não resistiu.

                    O sargento era de Diamante, onde também residia, mas há muito tempo trabalhava no pelotão de Coremas. Ele era casado e deixa dois filhos, uma mulher e um homem, que também é policial, mas no Ceará. A morte do sargento trouxe forte abalo para sua família e teve repercussão em todo o Vale, onde era bastante conhecido.

                 Após o crime, pelas informações de uma mulher que se encontrava com o sargento na hora do fato, a PM chegou até um suspeito do homicídio: o agricultor Damião Pereira da Silva, de 31 anos, que é solteiro e foi preso na residência do seu pai, no sítio Boa Vista, onde foi apreendido um revólver calibre 38.

                    Conforme o delegado plantonista José Pereira, o agricultor nega o crime e diz que nem sequer conhecia o sargento, mas a mulher que estava com o policial afirmou, em depoimento, reconhecer que o homem preso foi o autor dos disparos. Damião admitiu que esteve na festa e se encontrava no local no momento do fato, mas garantiu que não teve qualquer envolvimento no crime. “Ele foi autuado por homicídio e será recolhido à cadeia, mas é preciso aprofundar as investigações porque há fatos ainda para esclarecer”, comentou Pereira.  A motivação do crime ainda não é conhecida nem se há outra pessoa envolvida, mas a perícia na arma e o exame necrológico da vítima devem esclarecer melhor os fatos.

                   Depois do exame necrológico, o corpo do sargento  será entregue à família para o sepultamento, que poderá ocorrer nesta segunda-feira no cemitério de Diamante. Foi o segundo policial militar assassinado no Vale em pouco mais de dois anos: em fevereiro de 2015, o sargento Pedro Marques da Silva, então com 52 anos, foi executado a tiros em sua propriedade na zona rural de Ibiara.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  •  

    Em 22/07/2017

     

    Clima contra crime: onda de frio derrubou nº de ocorrências nas delegacias do Vale. Entenda

     



                  Por Redação da Folha – Nos últimos dois meses, as cidades regionais experimentaram uma onda de frio que há muito tempo não era registrada no Vale, o que teve impacto no comportamento social, especialmente à noite, quando a temperatura cai mais acentuadamente.

                    Especificamente nos últimos 40 dias, quando o frio foi maior, diminuíram os passeios noturnos e as pessoas começaram a se recolher mais cedo, expondo-se menos. Com isso, bares e lanchonetes em várias cidades também passaram a fechar antes. Até a tradicional conversa na calçada diminuiu por causa do tempo frio, com temperatura abaixo de 20 graus em muitos municípios numa região historicamente quente.

                    Essa mudança em alguns hábitos sociais teve reflexo também na polícia: não por coincidência certamente, algumas ocorrências mais frequentes nas delegacias regionais, cujas principais são Itaporanga (foto), Conceição, Piancó e Coremas, conforme os boletins policiais, diminuíram nas últimas semanas: acidentes de moto, lesões corporais, porte ilegal de arma, embriaguez ao volante, perturbação de sossego e furtos tiveram uma queda considerável.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  •  

    Em 18/07/2017

     

    Costureira é assaltada no centro de Itaporanga. Criminosos estavam em uma moto

     



                    Por Redação da Folha – O assalto foi por volta das duas horas da tarde dessa segunda-feira, 17. A costureira Evanir Eugênio de Sousa, conhecida por Lândia, de 24 anos, caminhava por um beco que dá em frente ao Atlântida Esporte Clube, no centro de Itaporanga, quando foi abordada por dois criminosos.

                    Eles estavam em uma moto. O condutor usava capacete, enquanto o garupa tinha uma camisa preta cobrindo o rosto, conforme a vítima, que prestou queixa à polícia. Ela, que reside no conjunto Chagas Soares, teve sua bolsa levada com a quantia de 1 mil e 500 reais, além de documentos pessoais e celular, levados pelos criminosos, que estavam possivelmente armados.

                    Como é costumeiro haver o descarte dos documentos da vítima, quem encontrar os documentos pessoais de Evanir Eugênio deve entregá-los na polícia. A mulher ficou muito abalada emocionalmente com o crime que sofreu, além de todo o prejuízo material. Assaltos e roubos a mulheres viraram rotina na cidade, com mais de duas dezenas de vítimas do ano passado para cá.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    -

  •  

    Em 17/07/2017

     

    Em Emas, jovem é convidado para beber e mata o próprio dono da casa, mas foi preso

     



              Por Redação da Folha – O homicídio ocorreu no final da tarde desse domingo, 16, na cidade de Emas, especialmente no interior da casa da própria vítima, Judivan Alves da Silva, de 52 anos, que foi morto a golpes de um porrete de madeira. O autor do crime foi o seu próprio convidado, o jovem Francisco Galdino da Silva, de 23.

              Convidado por Judivan, Francisco bebeu junto com ele durante quase todo o dia, mas terminaram se desentendendo. Os dois estavam sozinhos e o acusado aproveitou o momento que o dono da casa dormiu, em face do elevado grau de embriaguez, para matá-lo, fugindo em seguida.

                Ao tomarem conhecido do crime, policiais militares iniciaram diligências e conseguiram prender o acusado no final da noite, quando ele tentava se esconder em uma moradia do sítio Malhada Grande, município de Olho D’água.

                Conduzido ao plantão policial na delegacia de Coremas, o rapaz foi autuado por homicídio Clenalo Queiroz e recolhido à cadeia de Piancó. Ele confessou o crime e disse que mantou porque havia sido ameaçado pelo dono da residência e temia pela própria vida, o que o motivou ao crime.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  •  

    Em 16/07/2017

     

    Preso em festa com cocaína, jovem de Itaporanga é autuado e recolhido à cadeia

     



                 Por Redação da Folha – Durante uma abordagem policial em uma festa de rua na cidade de Pedra Branca, na madrugada deste domingo, 16, policiais militares encontraram 15 pedras de cocaína com um jovem morador do conjunto Chagas Soares, em Itaporanga.

                    João Paulo Diniz, de 21 anos, foi conduzido à delegacia de Itaporanga, onde foi autuado por tráfico pelo delegado Glêberson Fernandes. Além da droga, uma quantia de 75 reais foi encontrada com o rapaz, que é primário e nunca teve passagem anterior pela polícia.

                    Em seu depoimento, o jovem disse que a droga não era destinada ao tráfico, mas somente para consumo próprio, argumentando que há seis meses tornou-se dependente químico e costuma usar cocaína. Cada pedra custa em média 50 reais. Autuado em flagrante pelo delegado, o jovem foi recolhido à cadeia pública de Itaporanga. É uma das poucas vezes que a polícia apreende cocaina na região, já que a droga mais comum, exatamente por ser mais barata, é o crack, produzida a partir da borra da cocaina.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    -

  •  

    Em 15/07/2017

     

    Idoso de 66 anos põe fim à própria vida em área rural de Piancó

     



               Por Redação da Folha – A falta de investimentos públicos em saúde mental continua sendo a principal causa do grande número de suicídios no Vale e mais um foi registrado. No começo da noite dessa sexta-feira, 14, o agricultor Fernando Lopes de Albuquerque, de 66 anos, deu fim à sua própria vida.

                O idoso, que era casado e tinha filhos, enforcou-se em uma árvore nas proximidades de sua casa, que fica no sítio Tapera, município de Piancó. A família ficou surpresa e muito abalada com a atitude extrema do agricultor. Seu corpo foi encaminhado para exame necrológico em Patos e, depois, entregue a família para o sepultamento.

                Em grande parte dos suicídios no Vale, a depressão é um dos fatores mais contribuintes, necessitando que as famílias fiquem atentas para conseguir identificar qualquer diferença no comportamento dos seus membros e procurem assistência psiquiátrica o quanto antes.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  •  

    Em 14/07/2017

     

    Justiça de Itaporanga decreta 4 prisões em caso de supostas compras fraudulentas pela internet

     



               Por Redação da Folha – Em audiência de custódia realizada na manhã desta sexta-feira, 14, no fórum de Itaporanga, o juiz Antônio Eugênio surpreendeu os advogados de defesa de jovens detidos durante operação policial nessa quinta-feira: além de decretar a prisão preventiva de um deles, autuado e preso por suposto estelionato, também mandou prender temporariamente, por cinco dias, dois que já haviam sido soltos pelo delegado mediante fiança pelo crime de receptação. Um quarto jovem, que não foi detido na operação, também teve a prisão decretada nesta sexta.

                As prisões ocorreram durante o cumprimento de mandados de busca e apreensão nessa quinta-feira, 13, em uma operação da delegacia de Itaporanga que investiga compras supostamente fraudulentas pela internet.  Conforme a defesa de alguns dos acusados, em seu despacho, o juiz não considerou a primariedade e os bons antecedentes dos jovens nem o baixo potencial ofensivo de delitos como receptação, que não gera privação de liberdade. Apelações serão levadas ao plantão do Tribunal de Justiça para garantir a soltura dos rapazes, pois os advogados consideram também que não há provas contra eles.

             A investigação policial foi iniciada há três semanas, depois que pessoas prestaram queixas na delegacia de Sousa e de Itaporanga de que compras pela internet haviam sido feitas indevidamente em seus nomes e os produtos eram destinados a endereços em Itaporanga e Minas Gerais. Os produtos adquiridos ilegalmente eram celulares e perfumes. As suspeitas apontam para clonagem de cartão de crédito.

                  O servido municipal Erlisson Melo foi apontado pela polícia como o mentor e executor do suposto golpe e terminou autuado por estelionato pelo delegado Rodrigo Pinheiro e teve a prisão preventiva decretada pelo juiz durante a audiência de custódia, mas sua defesa assegura que não há prova de que ele esteja envolvido em qualquer esquema de fraudes em compras em sites de negócios na internet, além de se tratar de um jovem primário, com emprego fixo e bons antecedentes,  não havendo necessidade de prisão.

                Durante a operação policial, foram realizadas buscas em três residências na cidade e apreendidos celulares com os jovens, produtos supostamente de compras irregulares, motivando as prisões. Dois deles, Edgley Júnior e Rafael Leite, disseram que apenas forneceram o endereço de suas residências para receberam os produtos a pedido de Erlisson e não sabiam de nenhum ilícito, tanto que deram o endereço da própria residência e assinaram o recebimento. “Se eles soubessem que era coisa ilícita, errada não iriam dar o próprio endereço e assinar o recebimento”, argumenta a defesa. Mesmo assim, foram autuados por receptação dolosa, mas pagaram fiança de um salario e meio cada e foram liberados nessa quinta, mas, em decisão nesta sexta, o juiz decretou também a prisão temporária dos dois. Um quarto jovem, Niellyson Nunes, supostamente também envolvido no caso, foi igualmente preso temporariamente por ordem do magistrado.  

                 Mas os produtos recebidos pelos jovens em casa e, depois, repassados ao seu dono, a quem haviam emprestado seus endereços, não foram adquiridos ilicitamente. Foi o que garantiu Erlisson Melo em seu depoimento, assegurando que comprou e pagou pelos celulares, chegando a apresentar comprovantes de depósitos supostamente referentes às compras, negando qualquer envolvimento em fraude, mas o delegado e o juiz não consideraram sua argumentação.

                Em contato com a Folha, o delegado Rodrigo Pinheiro disse que o caso é complexo e requer uma investigação bem mais aprofundada, até porque, conforme ele, envolve também pessoas de um outro estado, no caso Minas Gerais, e que aparentemente não têm relação com os fatos de Itaporanga. Os quatro jovens foram recolhidos à cadeia local. Todos eles são moradores locais e de famílias conhecidas e consideradas de bem, motivando forte repercussão na cidade.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    -

  •  

    Em 13/07/2017

     

    Em Itaporanga, polícia investiga compras irregulares pela internet e faz buscas

     



                  Por Redação da Folha – Policiais da delegacia de Itaporanga cumpriram, na manhã desta quinta-feira, 13, mandados de busca e apreensão em residências locais. Os mandados foram determinados pela Justiça, a pedido da polícia. Quatro ao todo, e apenas um não foi possível cumprir porque não havia ninguém em casa.

                    A ação policial faz parte de uma investigação que está em curso na cidade há algumas semanas, depois de queixas registradas por vítimas em Itaporanga e em Sousa. Pessoas procuraram a polícia depois de perceberem que tiveram seus cartões de crédito supostamente clonados e utilizados indevidamente para compras na internet, principalmente de celulares e perfumes.

                    Nas três residências vistoriadas pela polícia foram encontrados produtos dessas compras feitas irregularmente através de cartões clonados, mas apenas um dos três jovens conduzidos à delegacia está sendo apontado como executor da fraude e responsável por revender as mercadorias na cidade. Ele permanece detido na delegacia. Os outros dois foram soltos depois de autuados pelo crime de receptação, que não resulta em prisão por ser considerado de baixo potencial ofensivo, e eles argumentam que não sabiam da origem ilícita dos produtos que compraram.

                    O delegado Rodrigo Pinheiro é quem está lavrando os procedimentos e ainda não teve tempo de conversar com a Folha sobre o caso e dar mais detalhes da operação policial. O dia foi corrido para o delegado, que ouviu testemunhas e envolvidos no caso e os depoimentos se arrastam pela noite. Nesta sexta, o delegado deverá fazer um balanço sobre a operação e prestar informações mais detalhadas.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  •  

    Em 12/07/2017

     

    Pastor é preso dentro da própria igreja em Coremas por ordem da Justiça por crime sexual

     



               Por Redação da Folha – Policiais civis de Coremas cumpriram mandado de prisão preventiva nessa terça-feira, 11, contra o pastor Leandro da Silva Pessoa, de 34 anos. Ele foi preso dentro do seu próprio templo, que é ligado à Igreja Mundial do Poder de Deus.

                A prisão, decretada pela Justiça, é resultado de investigações da delegacia de Coremas, depois que um adolescente de 13 anos procurou a polícia, acompanhado da avó, com quem reside no bairro Cruz da Tereza, para se queixar que havia sido abusado sexualmente duas vezes pelo pastor.

                Segundo o que relatou o garoto, o pastor costumava pegar o adolescente em casa e levá-lo em seu carro para a igreja, mas, em uma ocasião, conduziu o menino para um sítio e, em outra, para o seu apartamento, onde violentou sexualmente a vítima por meios de atos libidinosos. O pastor, que é de João Pessoa e está há somente oito meses em Coremas, negou o crime e disse que tudo não passa de uma invenção da avó do menino, com a qual ele teria uma rixa, mas não convenceu a polícia. "O menino conta tudo com riquezas de detalhes, e o próprio acusado admitiu ter levado o garoto para o sítio", comentou um agente de investigação.

                A polícia também cumpriu mandado de busca e apreensão no apartamento do pastor, onde computadores foram apreendidos e serão periciados. Depois de preso, ele foi conduzido à cadeia de Coremas e vai responder por estupro de vulnerável.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    -

     

  •  

    Em 12/07/2017

     

    Em Piancó, doméstica e garçom são presos depois de flagrados com entorpecentes. Ele contesta

     



                Por Redação da Folha – Uma denúncia anônima levou policiais militares da companhia de Piancó a interceptar uma moto em trecho da BR-361 que cruza o sítio Ferrão. No veículo estavam o condutor Santino Ademar da Silva, de 20 anos, e a doméstica Francinete Leite da Silva, de 44, ambos residentes na cidade piancoense.

                Com eles, os policiais encontraram pouco mais de 100 gramas de crack. Um policial notou quando a mulher jogou a droga no mato, mas a polícia conseguiu encontrá-la. Santino e Francinete foram apresentados à delegacia de Piancó e autuados por tráfico pelo delegado Rodrigo Pinheiro. Ela, que é moradora do Alto Belo Horizonte, foi encaminhada para o presídio feminino de Patos, enquanto o jovem foi recolhido à cadeia piancoense.

                A droga foi comprada em Itaporanga e seria distribuida em Piancó. Mas o condutor da moto disse que não tem nada a ver com a droga e disse que apenas foi fretado pela mulher para levá-la a Itaporanga e trazê-la a Piancó, argumentando que não sabia que ela transportava entorpecente. Ele declarou que trabalha como garçom, mas também pega frete como mototaxista.

                

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

  •  

    Em 08/07/2017

     

    Assalto a posto de combustível em Conceição; e furto a residência em Boa Ventura

     



                   Por Redação da Folha – Um jovem de 25 anos, que reside com a avó em Itaporanga, foi preso por policiais militares na noite dessa sexta-feira, 7, na cidade de Boa Ventura, depois de furtar quatro aparelhos celulares de uma residência na Rua Angélica Soares, centro da cidade.

                    Segundo informações policiais, o rapaz estava acompanhado de um adolescente local e entraram na casa pelo quintal. Os dois furtaram os celulares, mas os moradores notaram o furto e, junto com vizinhos, dominaram o jovem, que, depois, foi preso pela polícia e encaminhado ao plantão na delegacia de Itaporanga. Três dos telefones foram recuperados.

                    Autuado por furto qualificado pela delegada Dacinaura Alves, ele foi recolhido à cadeia de Itaporanga, mas, como é primário e de bons antecedentes, deverá ser solto pela Justiça nos próximos dias para responder ao processo em liberdade. O adolescente foi ouvido e liberado, mas foi lavrado um procedimento especial contra ele. Foto: jovem foi recolhido à cadeia.

                    Já no começo da noite deste sábado, 8, em Conceição, um homem a pé, encapuzado e armado supostamente com uma espingarda, assaltou o posto de combustível Maniçoba, que fica na saída para Mauriti.

                    O homem chegou ao posto e, depois de render o frentista Suélio Vieira Miguel, o assaltante levou quase 800 reais, todo o apurado do posto nas últimas horas. Policiais militares fizeram diligências, mas não conseguiram encontrar o autor do roubo.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    -

  •  

    Em 08/07/2017

     

    Major fala sobre operação que frustrou explosão a banco em Aguiar e exibe materiais apreendidos

     



                   Por Redação da Folha – Há menos de três meses no comando do 13º Batalhão de Itaporanga, o major Élder Ribeiro está vivenciando, junto com alguns dos seus comandados, um dia intenso neste sábado, 8, mas certamente gratificante. Ele esteve pessoalmente à frente da operação policial, que, pela primeira vez, conseguiu impedir uma explosão a banco na região, e mais: apreendeu todo o material que seria utilizado pelos criminosos, além do veículo onde eles estavam, provavelmente cinco elementos.

                    “Temos feito rondas durante a madrugada pelas estradas e cidades e hoje nos deparamos com esse veículo, que não obedeceu a ordem de parada, e houve disparo contra a viatura, o que nos levou a uma reação, e, apesar de até o momento nenhum deles ter sido ainda preso, conseguimos uma vitória que foi apreender o carro e todo material que eles carregavam para utilizar na explosão, possivelmente da agência bancária de Aguiar, para onde se dirigiam quando  foram interceptados”, comentou o major.

                    O carro utilizado pelos criminosos é um Corolla preto, com placa (MZE-9234) de Parnamirim, Rio Grande do Norte, que foi alvejado pelos policiais, forçando os criminosos a abandonarem o veículo e fugirem a pé pelo mato. “É provável que um deles esteja ferido e as diligências prosseguem para tentar capturá-los”, disse Élder.  

                    A ação policial foi na rodovia PB-366, em trecho que cruza o sítio Pé Branco, a 10 km da cidade de Aguiar. A única agência bancária local, a do Bradesco, já foi estourada três vezes e provavelmente seria uma quarta se não fosse a ação da polícia. “Trata-se de um grupo de criminosos organizado, profissional e que certamente já realizou inúmeras ações contra bancos no Sertão, e a prova disso é o material encontrado dentro do carro”, comento o major.

                    No interior do veículo, foram encontrados sete baldes com grampos, que são jogados na estrada pelos criminosos durante a fuga para impedir o avanço das viaturas, que terminam com os pneus furados; dez bananas de dinamite; tocas para encobrir o rosto; roupas; redes; bolsas; lanternas; alavanca; faca especial e algumas balas de grosso calibre. "A quantidade de dinamites que estava em poder do grupo era muito grande e com um poder de exposão bem expressivo, certamente produziria um grande abalo na cidade", argumentou o comandante do batalhão.

                    O carro, cuja procedência ainda está sendo investigada e todo o material, foram encaminhados pela PM para a delegacia de Itaporanga, onde as investigações serão iniciadas. “Quando a gente passou pela cidade de Aguiar a população aplaudiu, e pessoas vieram nos parabenizar porque disseram que não aguentavam mais tanta explosão contra o banco”, disse o major, ao demonstrar contentamento com sua tropa pela importante ação realizada. Fotos: major durante passassem pela delegacia, onde foram deixados os materiais e veículo apreendidos durante operação.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    -

  •  

    Em 08/07/2017

     

    PM impede suspota ação criminosa contra banco em Aguiar: houve disparos e um carro foi apreendido

     



                Por Redação da Folha – Policiais militares impediram um suposto plano de explosão e roubo contra, possivelmente, uma agência do Bradesco da cidade de Aguiar, na madrugada deste sábado, 8. A PM tinha informações de que um grupo de criminosos agiria durante a madrugada e frustrou o crime.

                   O próprio major Élder Ribeiro, comandante do 13º Batalhão de Itaporanga, foi quem comandou a ofensiva. Os policiais montaram uma barreira em um ponto estratégico da rodovia PB-366, em trecho que cruza o sítio Pé Branco, a 10 km de Aguiar, e surpreenderam os criminosos, que estavam em um Corolla preto com placa de Parnamirim, Rio Grande do Norte.

                    Policiais dispararam contra o veículo em resposta a supostos tiros disparados pelos criminosos contra a viatura. Os ocupantes abandonaram o carro e fugiram pelo mato a pé. Não há informação se algum deles se feriu nem quantos eram. Policiais continuam em diligências, mas, até o final dessa manhã, ninguém havia sido preso.

                    Segundo informações, foram encontrados dentro do carro vários baldes com grampos, geralmente utilizados para perfurar pneus das viaturas policias nas estradas, além de tocas, bolsas, roupas, alavanca, dinamites e outros materiais. Foto: veículo e demais materiais apreendidos foram encaminhados à delegacia de Itaporanga.

     

     

     

     

     

    -

  •  

    Em 05/07/2017

     

    Por ordem da Justiça, 4 são presos temporariamente em Itaporanga suspeitos de crimes na zona rural

     



                  Por Redação da Folha – Policiais civis do Grupo Tático Especial (GTE) da delegacia de Itaporanga cumpriram, entre essa terça e quarta-feira, 5,  mandados de prisão temporária contra quatro jovens suspeitos de envolvimento em furtos e roubos na zona rural do município.

                    Os crimes ocorreram nos sítios Varginha, Cantinho e Pé de Serra. Depois de meses de investigação policial, quatro suspeitos foram identificados e, por solicitação da polícia, a Justiça decretou a prisão do quarteto, que é temporária por cinco dias, mas renovável por igual período, ao fim do qual poderá ser convertida em preventiva pelo juiz, caso haja prova suficiente contra eles.

                    Foram presos os irmãos Daniel Lúcio de Malta, conhecido como Galeguinho, e José Lúcio Neto, conhecido como Côco Preto, moradores do Conjunto Miguel Morato, e os primos José Welson Dantas Inácio, apelidado de Alemão, morador do mesmo conjunto, e Márcio Jeyson Vicente Dantas, chamado de Deisin, residente no sítio Cantinho.

                    Os policiais também cumpriram mandados de busca e apreensão em quatro residências, mas nada de relevante às investigações foi encontrado, conforme os agentes policiais. Ouvidos pelo delegado Renato Leite, que conduz as investigações, todos negaram envolvimento nos crimes, argumentando que não praticaram nenhum ato criminoso. Depois da oitiva, eles foram recolhidos à cadeia pública.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    -

Aguarde um momento... Está carregando!
Desculpe, não foi encontrado nenhum resultado.
Informes & Opinião

Folha do Vale www.folhadovali.com.br
Av. Padre Lourenço, nº 392 - Itaporanga - Paraíba
©2010 - Todos os direitos reservados